segunda-feira, 27 de outubro de 2008

Teoria da bolha

Quando eu digo que a gente vive dentro duma bolha e só de vez em quando se dá ao trabalho de sair dela e dar uma olhadinha no acontece ao redor falo sério, apesar da triste constatação.

Esses dias fui numa feirinha em Notthing Hill aqui em Londres e resolvi entrar numa lojinha.

Obviamente que estava dentro da bolha, imersa por demás em meus pensamentos e só de corpo presente.
Eis que fui até o fundo da loja e uma suposta pessoa na minha frente não me deixou passar, seguir em frente, num clássico encontrão.
Sabe aqueles encontrões que damos com outras pessoas na rua? Em que ambos se olham pra desviar seus passos um do outro e acontece justamente o inverso, pois acabamos indo ambos pro mesmo lado, em várias tentativas de seguir livremente e em frente.

Pois bem, sem olhar pra suposta "colega" pedi licença e fui pro ladinho e de novo a "colega" veio a me confrontar. Pedi licença de novo e resolvi avançar sem dó. No que avancei dei de cara num espelho!!!!!!! Eu fiquei me debatendo e falando com um espelho, acreditem se quiser. E achando que a loja seguia adiante e que tinha uma pessoa me impedindo de passar!

Nem preciso dizer que a atendente ficou me olhando como se eu fosse uma louca solta!

São por fatos como esse que confirmo cada vez mais a teoria da bolha. Alguém se habilita a se manifestar sobre os efeitos da bolha em suas vidas? Ou vão me dizer que só eu dou uma de louca solta de vez em quando?

9 comentários:

Fer Iensen disse...

tô lendo um livro muito bom de um psicanalista que se chama "A essencial arte de parar". O livro trata da importância de se fazer pausas na vida (seja de minutos, seja de anos, tipo um ano sabático) para romper com a rotina e a realidade posta e olhar pra dentro. A pergunta é: O QUE REALMENTE ME FAZ FELIZ? e a partir disso redirecionar nossa vida para o que nos deixa feliz e nos dá prazer. Muitas vezes nos sentimos sendo "levandos pela vida e abandonando alguns sonhos" Anyway...posso te contar melhor sobre o livro depois, se quiseres.

Mas o que vem ao caso agora é um fragmento que li ontem e que faz muito sentido com relação a esse teu post e aquele outro post sobre a ansiedade em se tirar fotos ao invés de contemplar o momento. O fragmento diz o seguinte: "Parar e não pensar em nada além do momento presente e na nossa respiração - princípio da meditação - nos deixa livres para recordar e dar valor ao momento, ao passo que estar sempre cheio e sempre ter alguma tarefa a cumprir, vivendo velozmente como estamos hoje em dia favorece o esquecimento."

Pode parecer muito óbvio, mas as vezes não nos damos conta do óbvio.

Marcia disse...

Luana, já me aconteceu coisa parecida. Uma vez fui com a minha irmã numa loja e estavamos em prateleiras diferentes. Aí eu resolvi chamar ela pra mostrar algo. Quando me dei conta, tava falando comigo mesma num espelho. Fiascão!
E do you tube, eu fiz o cadastro lá e informei os dados do blog. ai eu posto diretamente do you tube.
Vê se consegue!
Bjs!

TotalHelp Express (Londres) disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
LuRodrigues disse...

Hahahahahahahaha!!!!! Luana, Luana.... sempre no mundo da Lua.
Hahahahahahahahah!!! Adorei.
Beijos

Gis disse...

ahahaha Eu não sei de teoria nenhuma, mas ri muito imaginando a cena. hehehe E me encontrei no livro que a Fer Iensen tá lendo. Se eu não tivesse tanta coisa pra ler aqui agora eu até compraria. Bjos!

OS OLHOS ABERTOS disse...

coisa boa te ver e falar contigo hoje.

mas lendo esse post eu fiquei só imaginando a tua cara, bem blazézinha tentando não olhar pra si mesma.

amiga, eu faço dessas todos os dias, mas com coisas bem banais do tipo; horas procurando meus óculos quando eles estão pendurados na minha cabeça.

adoro esses momentos lunáticos.
besos, besos

Fer Iensen disse...

Gis,
esse livro é bem curinho, tem umas 96 páginas. Tem muita coisa boa nele e algumas coisas que não concordo, parece meio auto ajuda (tenho um certo preconceito com esse tipo de livro)...mas de qualquer forma vale a pena ler, ainda mais pelo momento que tu tá! Te admiro por romper com a vida que tu levava e "se dar um tempo" para voltar a estudar, viver experiências novas em lugares novos e redirecionar a tua vida para o que relamente te deixa e te faz feliz.
Acompanho sempre o teu blog e adoooro!!

rafa ferretti disse...

"Eu sou um outro" total.
Eu falo pouco ao espelho, parece que o cara que está lá tá me tirando, me instigando "que tá fazeno?". Dá pra imaginar eu reagindo grosseiramente, ao encontrão do meu eu pedante, incoveniente, sarcastico, metido, "sai da aí".
Mas a bolha pra mim é o contrário, eu fico tão cercado de mundo, de coisas fora de mim, que tomam meu pensamento, que a bolha é o que me impede de escutar a mim mesmo.
Bjs. Ps.Meu irmão mora aí, quem sabe tu já não deu um encontrão na bolha dele?

Lua disse...

Fer: tu tá virando budista mesmo..
Márcia: valeu a dica..já sou cadastrada no you tube, vou tentar então!

Meninas: Adoro saber que eu não sou a única louca solta por aí-uahuahua!

Rafa: bah, li teu post e fiquei pensando se essa não seria umas das grandes diferenças entre o homem e a mulher..enquanto a mulher olha pra dentro de si o tempo todo o homem não tá nem aí pra essas coisas...hum, renderia um ótemo post esse papo...

Depois passa o contato do teu irmão pra eu conhecer..