segunda-feira, 6 de outubro de 2008

Entre o nada e a dor eu fico com a dor.

Li esses dias no perfil do orkut de uma conhecida uma frase interessante:
"Entre o nada e a dor eu fico com a dor."

Parênteses:
(Vemos uma coisa e imediatamente já associamos a outra e relembramos outras tantas. Freud explica. Pois bem, vi um comentário dessa menina no facebook ontem e me peguei pensando nessa frase vista meses antes em seu perfil. )

Mas a questão é que parei pra pensar se realmente entre o nada e a dor eu fico com a dor. Por exemplo:

1. Se por uma suposição maluca eu soubesse ao nascer que eu nunca poderia experimentar transar com alguém, preferiria eu um estupro (experiencia) a nada?

2. Se eu me visse com o corpo imobilizado, quiçá só com o pescoço se mexendo, preferiria eu virar pó a ter que ficar assim?

3. Se meu grande amor se fosse no auge da nossa paixão, preferiria eu nunca tê-lo conhecido antes?

Claro que esses são exemplos extremos, mas sendo bem honesta, mesmo no pior dos exemplos me vi ficando com a dor, com a vivência, com o "ver pra crer".

Na verdade minha simplória conclusão, que acredito ser consenso é que essa frase representa algo muito maior, uma digamos assim ânsia por viver, seja lá como for. O "nada" é o não experimentar, o estar morto, o não viver, enquanto "a dor" é a própria existência de vida de cada um, que com acertos, erros, frustrações, realizações é repleta de dor e otras cositas más! 
;-)

Parênteses de livre associação:
(Fora que a "dor ensina a gemer", como sempre diz minha mãe e essa é outra frase que dá um belo de um caldo...)

E você, vai de dor ou vai de nada? Fez uma leitura diferente? Diz aí... ;-)

6 comentários:

Fer Iensen disse...

Eu faço a mesma leitura que tu. Sempre preferi a dor ao nada. Não é a toa que faço psicanálise a 9 anos e não tenho nem previsão de alta. Psicanálise gera muuuuita dor! Mas também muitas delícias. Enquanto o nada não chega a lugar nenhum, a dor te leva para o desejo...te enlouquece, e uma hora te evolui de uma forma que tu nunca imaginou.
A dor me tornou generosa, me tornou mais forte, me levou a atitudes que eu nunca pensei que teria. Mas confesso que faz alguns dias que ando preferindo o nada, já que a dor tem sido tão avassaladora.
Sei que quando eu olhar pra trás eu vou ter preferido a dor, mas o agora me condena e o nada era só o que eu queria nesse momento (nossa, como ficou deprê esse texto)

giovana disse...

Para falar a verdade, não gosto de nem um dos dois...
Talvez prefiro o nada pq ele, assim como o tudo simplesmente não existe !
Não tem como viver o nada, assim como não tem como não pensar em nada ! Logo no nada está sempre acontecendo alguma coisa...
Já a dor, pode ficar para quem gosta, eu fora!

LuRodrigues disse...

Já dizia o Rei Roberto Carlos: se chorei ou se sorri, o importante é que emoções eu vivi.
Entre a dor e o nada, fico com a dor.
Beijos

Lua disse...

Fer: as vezes a gente fica deprê mesmo..é bom botar pra fora..e as vezes tambem prefiro o NADA...

Gio: adoro que sempre vens com uma visao diferente e original...só quero deixar claro que não sou masoquista tá...não quero apanhar da vida...

Lu: excelente lembrança do sábio e eterno Rei! ;-)

Gis disse...

A dor, a dor! rsrs Até porque, já que estamos a citar frases, depois da tempestade vem a bonança! hehe (eu que o diga) ;-)

Anônimo disse...

Penso que essa frase é uma releitura daquela velha idéia de "Melhor se arrepender do que fez do que deixar de fazer!". Só vamos saber sde dói, se passarmos...
Então q: Que venham as dores!!rsrsrs Ou não viveremos a vida. Ela apenas passará! Bibita