terça-feira, 7 de julho de 2009

Eu estava lá!

PRÉVIAS
O Blur anunciou sua volta ano passado com estilo: um show no Hyde Park em Londres dia 3 de julho de 2009. Pra surpresa do próprio Blur dois minutos depois os ingressos estavam esgotados.
Acabaram anunciando mais um show no dia 2 de julho. Ou seja, o segundo show acabou virando o primeiro. E pra minha alegria era justamente os ingressos do dia 2 de julho que eu tava na mão: o do tão esperado primeiro dia!

Ok que eles voltaram a cena roqueira antes disso: com um "mini" show surpresa aqui em Londres e na última edição do Glastonbury. O fato é que a expectativa para assistir Blur no Hyde Park ultrapassava tudo isso. Um tanto foi pelo longo tempo de espera (uns 6 meses) e outro tanto pelo belo retorno que a crítica deu ao show no Glaston: o melhor show e performance dos últimos anos.
Se no Glaston já tinha sido tudo de bom...o que imaginar de um show só deles. Era aguardar então pra ver a retomada no Hyde Park.
E haja coração.


CLIMA/AMBIENTE
As bandas de abertura estavam previstas pra começar as 14h e o grande show as 16h, quinta -feira da semana passada. Como esse papo que britânico é pontual já era, ao menos no âmbito shows, as bandas de abertura começaram pelas 16h e o Blur lá pelas 19h.
Ao chegar no Hyde Park me senti num Fórum Social Mundial lá em POA, num clima muito amigável!
Descampado a vista cheio de gente jovem, adultos, idosos descolados e crianças sortudas que foram super lotando o espaço com o passar das horas.
O dia também colaborou, com um solzão de lascar e de tão seco e abafado o povo já ia se soltando, ficando de biquini e estendendo a canga no meio da grama e daquela poeirada em volta!
Ao lado dos telões estavam pendurados dois mapas gigantes: um do reino unido e outro de Londres (ao que tudo indicava).
Pra intensificar ainda mais o estilo Fórum o pessoal levou comida e bebida e fez a festa do piquenique no parque!
Além disso, no intervalo de cada show rolava uns vídeos sobre crianças na África, mostrando uma realidade dura e crua. Tentei pesquisar na internet o projeto, mas não encontrei grande coisa. Se alguém souber algo a respeito conta aí?
Sabe como é né: cerveja, show de rock e vídeos de ONG infelizmente não combinaram muito! ;-P



BANDAS DE ABERTURA
As bandas foram escolhidas a dedo pelos integrantes do Blur e certamente diversificação e bom som foram dois dos grandes critérios adotados.

Primeira banda foi a Hypnotic Brass Ensemble
Muito bom som, esse grupo de Jazz de Chicago mostrou um suingue que só negão tem, não adianta tentar imitar!
A apresentação deles foi bem longa, na minha opinião, e chegou uma hora que aquele monte de sopro parecia mais uma batucada sem fim e pedia uma trégua! Afinal, era noite de Rock and Roll!!

Segunda banda foi a nova febre chamada Crystal Castles do Canadá. Som sensacional com dois músicos de primeiríssima no comando dos instrumentos. O som é definido como eletrônico e noise, um tipo de som vanguarda com bastante distorções, cacofonia, barulheira e elementos de repetição.
Já a vocalista Alice Glass podia morrer que não ia fazer falta. A mina numa trip completamente fake e equivocada. Entrou pousando de super star mucho louca, o que de fato deveria estar..
De qualquer maneira, foi too much. Se jogava pelo chão, rasgava a saia, gritava sem parar (mas nesse caso ok pq é a proposta da banda mesmo) e só faltava subir numa árvore pra chamar a atenção. Na minha opinião, faltou carisma além de voz, não cantava porra nenhuma já que tudo era distorção. Recebeu pessoalmente críticas negativas. Já a banda recebeu críticas positivas. Li de um anônimo no Youtube:
- "Hyde Park não é lugar pra Crystal Castles tocar. Pra entrar na onda dela o show tem que ser num buraco preto qualquer".

Vai saber, o que sei é que de qualquer maneira valeu. Os músicos seguraram muito a onda dela e o que acabou ressaltando foi o resultado de um excelente trabalho.
Confira um pouco mais do som deles aqui.

Parênteses
(O povo tava tão odioso com essa mina que jogou garrafada sem parar nela. Também isso não quer dizer muito já que só se via garrafada pra tudo que é lado até o fim dos shows! Sorte que eram de plástico! Confira aqui!)

Terceira banda foi a Golden Silvers de Londres. Essa foi na minha opinião uma das melhores bandas que eu conheci nos últimos tempos. Caí de amores.
Além de um puta estilo dos músicos o som é muito bom, desce redondo e recomendo muito!!
Não é a toa que esse trio foi banda revelação do Glastonbury de 2008 e desde então vem fazendo muito sucesso.

Seguem duas músicas, num rockzito com balanço pra vcs conferirem: True Romance e Arrows of Eros!

Quarta banda de abertura foi a Foals de Oxford aqui da Inglaterra. Nessa hora por incrível que pareça dei uma dormida no sol então não conferi. Mas segue um dos trabalhos deles aqui pra vc conferir! Bem bacana!



BLUR
Voltemos ao cerne da questão: ao Blur. Nesse clima de festival foi que os guapos (sim, O Damon Albarn tá mais guapo que na mocidade. Alias, nem o dentinho frontal de ouro foi capaz de enfear o moço) entraram e deram o melhor de si.

Num setlist encorpado, com direito a dois bises eles tocaram praticamente todos os grandes e pequenos sucessos da banda em cerca de 2 horas de show. Não saberia dizer o que eles não tocaram!
She's so high e Boys and Girls estrearam o show. There's No Other Way, 'Coffee & TV', 'Tender', 'Sunday Sunday', 'Parklife', 'This Is A Low' no meio do show e 'Song 2' e 'The universal' pra encerrar.
Aos mais curiosos segue set list na íntegra aqui!

O Damon já havia prometido colocar coração e alma nesses shows. De fato o fez. Foi emocionante. O cara tem uma puta presença de palco e roubou muito a atenção (Ao menos a minha!). Com uma energia que só vendo, corria de um lado pro outro do palco e dava pra ver o tesão dele em estar ali. Como ele mesmo disse na ocasião:
- "Vai ser difícil repetir isso aqui amanhã!"
Os outros integrantes: Graham Coxon, Alex James e Dave Rowntree estavam mais tímidos, pra não dizer mais blasé. Mas também tiveram seus momentos.

Lá pelas tantas Damon revelou que Parklife foi inspirado no Hyde Park. Nessa hora pude imaginar o quão prazeiroso tava sendo pra eles retomar o Blur nessa conjuntura. Tocando na sua cidade natal e no velho parque que eles fizeram história.
Ele disse exatamente:
- "I had the idea for this song in this park... I used to come into the park and watch the people and the pigeons and all that stuff,"

Foi num clima saúde no copo, amor, paz e claro somzera que a noite foi orquestrada.
Os tiozões do Blur viraram tiozões (Isso é fato!). Constituíram famílias, ficaram mais caretas talvez, mas ainda dão no couro! Ohhhh se dão!

O som tava excelente. Achei a produção de palco pobrinha, apesar da bela pirotecnia de luzes. Deu pra ver que nesse caso era o som que tava em jogo.
E valeu. Valeu muito.
Seguem algumas fotitos pessoais e vídeos do YouTube:










2 comentários:

Viviane disse...

show de bola guria! que privlegio que sao esses momentos! :)

ah e a palhacinha do crustal castles fez o mesmo papelao aqui no SONAR! hehehe

besos guapa!

lua disse...

Vivi

concordo, coisas beem boas da vida! ;-)
Também queria muito ter ido no SONAR, mas não rolou!;-P

beijos e saudades guapa